Página do Participante INEP ENEM

Chegamos ao início do segundo semestre de 2020 com uma série de problemas relacionados ao ENEM, o primeiro destes problemas que na minha opinião reflete no perfil do participante do Exame Nacional do Ensino Médio é o decreto estadual de isolamento que suspendeu as aulas para alunos do ensino médio a partir do mês de maio, uma outra questão também discutida é a frequente mudança de ministro da educação que tem participação direta na elaboração de ações para aplicação da prova ENEM.

As inscrições para Prova ENEM deste ano aconteceram no mês de março, a Página do Participante divulgou calendário com todas as etapas para realização da prova, no mês de maio foi suspensa as aulas em todas as escolas públicas e particulares por ocasião da proliferação do novo corona vírus COVID-19, apesar do estado ter se empenhado em oferecer conteúdos online de ensino remoto a distância existe a preocupação com longo período sem aulas dos alunos do Ensino Médio.

Na terça feira dia 30 de junho terminou o prazo para resposta do enquete que perguntava aos alunos qual melhor data para a aplicação da Prova ENEM, o resultado foi que 49,7% dos candidatos escolheram a melhor data o mês de maio de 2021, contra apenas 15% a tradicional mês de dezembro. Além disso o perfil do candidato do ENEM mudou este ano com a maioria de inscritos 60% já concluintes do ensino médio e apenas 23% concluintes, o número de treineiros caiu ainda mais com inscrição apenas de 12% dos alunos do ensino médio para realizarem a prova enquanto treineiros.

 

Resultado do Enquete Prova do Participante ENEM

Com a suspensão das aulas os alunos do ensino médio se sentem despreparados para fazer a Prova ENEM 2020, isso reflete no perfil do candidato que vai prestar a prova com um número superior de alunos que já estão formados no Ensino Médio 49,7% dos alunos que vão realizar a prova ENEM já estão formado a no mínimo três anos, conforme regulamento do concurso estes alunos deverão utilizar a nota do ENEM para ingressar no curso superior.

O Exame Nacional de Avaliação do Ensino Médio perde a sua originalidade e objetivo inicial de avaliar a educação básica de nível médio no Brasil, apesar de oferecer possibilidades de empregabilidade e ingresso na universidade o baixo número de inscritos concluintes e alunos do ensino médio no exame aponta para outros tipos de avaliação e medição da educação básica.

Os governos estaduais e federal criam o Ensino Remoto Emergencial com conteúdos exibidos em T.V digital, Canal Youtube e Educação à Distância para que os alunos da Educação Básica não sejam prejudicados, os estados possuem diferentes conteúdos mas na maioria dos Projetos Pedagógicos criados existe a preocupação com exibição de conteúdo do ENEM, com material especial para que os alunos possam se preparar.

 

Oportunidades de Ingresso na Universidade e Ensino Técnico

No Brasil o Exame Nacional do Ensino Médio representa uma oportunidade para os concluintes do Ensino Médio da faixa etária dos 17 aos 20 anos de idade de escolherem uma profissão que pode ser por meio de ingresso em uma universidade ou por meio de curso técnico subsequencial, neste contexto o atraso na prova pode representa também um atraso para a economia do país e trabalhadores que vão ingressar cada vez mais tarde no mercado de trabalho.

A oportunidade de ingresso em uma universidade também tem provocado o interesse de alunos já concluintes da educação básica e alunos que utilizam cursinhos para prestar a prova ENEM, se por um lado a criação de oportunidades de ingresso em universidade tem sido uma motivação para que os alunos realizem o exame, de outro o exame perde um pouco a característica de avaliação do Ensino Médio, com um número cada vez menor de candidatos inscritos já concluintes da educação básica a no mínimo três anos.

Os alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) é cada vez menor já que a mais de três anos o Exame Nacional do Ensino Médio não pode ser realizado para conclusão do conteúdo nesta modalidade de educação brasileira, os candidatos que realizam a prova EJA tem que fazer independentemente outra prova que é a do ENEM para concorrer a bolsas de estudos da educação superior, na minha opinião a Educação de Jovens e Adultos também deveria ser avaliada enquanto modalidade de ensino no país.

 

Atraso da Prova ENEM e Influência na Economia

Um estudo mostra que a faixa etária de jovens de 20 aos 29 anos é a mais afetada pelo desemprego no Brasil, estes jovens são ativos e saudáveis para desempenho de diversas atividades porém não consegue uma colocação no mercado de trabalho que está cada vez mais competitivo, o atraso na Prova ENEM pode fazer com que o número de desempregados nesta faixa etária seja ainda maior.

Os alunos concluintes do ensino médio tem que escolher uma profissão, este é o momento de transição da adolescência para a vida adulta, é necessário que o jovem receba atenção e seja orientado da melhor maneira, o jovem que não faz esta escolha no futuro representa mais uma pessoa sem renda e faz crescer ainda mais o número de desempregados no Brasil.

O jovem que ambiciona ingressar em uma universidade não pode estar inseguro em relação aos conteúdos da prova, é necessário criar mecanismos de oportunidades para que o jovem possa fazer suas escolhas e ingressar no mercado de trabalho, compreendendo as diferentes dificuldades encontrada por cada indivíduo.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *